Anos de Os Deuses Mortos

VIII Oito Anos de Os Deuses Mortos

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

O que esperar de Ghost in the Shell?

Saiu o primeiro trailer da adaptação de Ghost in the Shell, não me empolgou, mas também não anunciou nenhuma tragédia. O que pudemos ver foi um visual muito bonito, algumas cenas parecidas ao anime e outras cenas bem diferentes, o que está longe de ser um problema.
Meu grande medo é quanto ao tom da adaptação. O anime é denso com um fundo psicanalítico. Na trama a Major Motoko é uma ciborgue, assim como tantos ela substituiu partes de seu corpo, para ser mais específico ela teve seu cérebro implantado em um corpo cibernético.
Durante a animação Motoko estranha a si mesma e ao mundo em que vive, ela tem um sonho que não sabe se é fruto de um desejo, de um temor ou uma memória. A protagonista cruza a cidade e vê a si mesma, como uma humana, tomando café. 
Motoko se questiona sobre suas escolhas, ela está fazendo escolhas por sua vontade ou são seus implantes cibernéticos? Ela ainda é ela ou quando se transformou passou a ser outra pessoa, se for assim quem ela foi e quem ela é?
Por essa pequena descrição dá para perceber que não é o tipo de tema que vemos nos maiores sucessos de bilheteria - vide os filmes da Marvel cada vez mais superficiais e mais voltados para crianças pequenas. Se Ghost in the Shell quer ser um sucesso ele vai se adaptar a essa fórmula?
Batman Vs Superman pagou um preço amargo por ser mais denso e não se voltar para um público acéfalo, agora a adaptação do anime vai enfrentar alguns obstáculos: diferente das personagens em quadrinhos ele possui apenas um longa de animação; não possui uma marca forte (como Marvel) por trás e não tem personagens populares e conhecidos.
O que particularmente me irritou foram as supostas cenas de nudez. No anime a pele de Motoko é
Diferença entre a pele artificial
protegida por uma camada resistente ao calor, frio e capaz de tornar-se invisível. No trailer vemos a mesma cena e Motoko teve sua pele substituída por um treco, com direito a uma piadinha idiota explicando.

O mais puritano (ou o mais feminista) deve estar pensando "Você só quer ver mulher pelada". Não! A pele tem um sentido, Motoko questiona sua humanidade graças a aparência humana, se ela não tem essa aparência como pode se questionar? Não faz sentido uma personagem duvidar de sua humanidade se ela não parece uma humana.
A pele da Motoko mostra uma preocupante adaptação para públicos mais jovens, agora pensem o público jovem é o mesmo que devora e idolatra produtos repetitivos e cheios de piadinhas idiotas, recharçarndo qualquer coisa nova (nem precisa ser inovadora) e mais reflexiva, qualquer coisa que não possa ser explicada com uma piada é rejeitada.
Como apresentar uma adaptação de uma obra densa, complexa e sombria para um público burro que quer soluções fáceis, personagens vazios e a mesma piada repetida inúmeras vezes?

O que gostei do trailer

O que mais chama a atenção é o visual, porém me recuso a elogiar uma obra apenas por sua imagem, ela pode ser vazia ou pode amarrar a narrativa. Depende do filme. Porém a obra tem coisas a serem elogiadas (mesmo que prematuramente)
Primeiro de tudo o elenco: Scarlett Johansson é uma das atrizes mais talentosas de sua geração, durante grande parte de sua carreira participou de produções intimistas, filmes "sérios", alçando a fama como a
Viúva Negra (suas participações nos filmes da Marvel são muito boas) e mesmo assim alterna filmes pipoca com produções sóbrias.
Scarlett participou de um filme muito parecido com o anime: Sob a Pele onde vive um alienígena que seduz homens a fim de fortalecer uma pele humana e se passar por um de nós. Filme surrealista e sutil levanta a questão sobre a importância da pele (da aparência) temática do anime estraçalhada já no primeiro trailer.
Outro nome que agrada muito é o de Takeshi Kitano
um puta ator japonês, acostumado a filmes violentos e questionadores sobre a cultura japonesa ele usa a violência explicita para apontar outras violências que passam despercebidas, como os jovens japoneses abandonados por seus pais ou uma cultura da hipocrisia.
A presença de Kitano é uma boa notícia. No ano 2000 ele  foi para Hollywood filmar Brother - A Máfia Yakuza em Los Angeles (o subtítulo horroroso é fruto da péssima dublagem brasileira). Apesar do filme ser bom (longe dos seus melhores trabalhos) a experiência foi tão traumática que o japonês jurou nunca mais participar de uma produção americana.
E aqui está Kitano, ele não é o tipo de artista que se venderia por dinheiro, não combina e ele não precisa disso. Se topou participar de Ghost in the Shell é porque viu algo ali. Ponto para o filme.
Ainda no quesito elenco o diretor Rupert Sanders responsável pelo lixo Branca de Neve e o Caçador, em fim oremos para os deuses dos animes.
Algo que gostei foram cenas não existentes no animes, sim uma adaptação não é obrigatoriamente uma filmagem quadro-a-quadro, pode ser uma reimaginação, pode-se contar uma outra história tendo o original como base. Como se o diretor fizesse a sua versão da história. Eu gosto dessa linha.
Um bom exemplo são os filmes de Evangelion, ao recontar o seriado novos eventos foram apresentados, situações mudaram, desfechos se fizeram outros e até uma nova personagem foi aprecentada. Prova viva de que não é necessário recontar a mesma história, basta respeitar o original e manter-se fiel ao espírito e a ideia original da obra.

Espero que Ghost in the Shell de certo

Apesar das duras críticas feitas acima eu não sou um hater, eu espero que o filme fique bom e que seja um sucesso e o motivo é simples. Gostaria de ver animes sendo adaptados o que populariza a animação
japonesa (que anda meio esquecida por aqui). 
Se o filme der certo teremos produtos: colecionáveis mais baratos, mais animes na televisão, mais animações chegando aqui em diversos formatos. Vide os heróis de quadrinhos. Quem falava do Capitão América antes dos filmes?
Mas é necessária uma combinação. Não adianta o filme ser muito bom se não der dinheiro, os executivos não vão investir; por sua vez não adianta render rios de dinheiro se o filme for ruim.
Eu quero muito ver filmes baseados em animes, mas não quero que eles sigam a fórmula Marvel, não quero ver boas personagens transformados em idiotas que contam piadinhas para o delírio de babacas - Faça uma comparação entre os excelentes dois primeiros filmes do Capitão América e os bons Homem de Ferro 1 e 2 e o primeiro Vingadores com as atuais porduções da editora. A qualidade de roteiro caiu profundamente.
Tenho muito medo de ver uma obra tão boa como Ghost in the Shell ser prejudicada, mas quero muito que o filme de certo (em todos os sentidos) mas não sei, tenho um pé atrás e espero estar errado.

sexta-feira, 25 de novembro de 2016

Os Trinta Anos de Cavaleiros do Zodíaco

Existem muitas maneiras de começar esse posts: poderia seguir de frases batidas como: "As novas gerações talvez não entendam..." ou "A História dos animes no Brasil pode ser dividida em Antes e depois de Cavaleiros do Zodíaco". Pois bem, eu respeito muito os meus leitores para partir desse lugar comum.
Fazendo um exercício um tanto quanto impossível, de lembrar minha primeira experiência com CDZ (digo impossível pois a memória é falha, nossas lembranças são um misto de desejos, medos e fantasias). Foi em uma tarde, nessa época estudava em uma escola municipal e munhas aulas começavam após as 14h.
Por algum motivo não tinha ido a aula naquele dia, procurando pelo que ver encontro um anime na TV Manchete, em um ringue dois rapazes de armadura se enfrentavam. Um parecia evocar os poderes do dragão o outro do pégasos. Minha primeira impressão é que se tratava de um anime espacial, naquela época acreditava que os animes só falavam sobre espaço, naves e robôs gigantes. Dadas as armaduras pensei que eram lutadores astronautas resolvendo um perrengue ou seres futuristas.
Assisti da metade ao final, vi Seiya vencer Shiriyu, mata-lo e depois devolver sua vida, o público festeja enquanto Hyoga de Cisne observava planejando como vencer a competição. Fiquei sem entender nada, o tema de encerramento não me ajudou, sem mais informações fui para a escola no dia seguinte.
Os dias passam, conversando com meus amigos descubro que eles também conhecem o anime, fico sabendo que ele também passava as 10h. Começava ali um amor pelos animes que perdura até hoje.
Ainda me lembro de quando comprei o primeiro número da Revista Herói nas bancas, algo até então nunca visto. Na capa Seiya invocava o podere de Pégasos. Não sabia se tratava-se de uma história em quadrinhos, sátira ou de matérias informativas. Até então não havia informação de fácil acesso.
Estamos nos anos noventa os animes ficavam reclusos a uma comunidade muito pequena de descendentes de japonese e frequentadores do bairro da Liberdade; alguns lugares vendiam fitas em VHS sem leganda! A televisão espalhava os animes em seus programas infantis; o termo NERD era um insulto (sinônimo de virgem que apanhava na escola); o termo Otaku era desconhecido. Cavaleiros do Zodíaco mudou tudo isso.
Passaram-se trinta anos, os animes estão em baixa, mantém um público fiel e apaixonado, mas está longe da TV aberta. Estamos todos a espera de uma nova era de ouro. Uma boa época para se lembrar e celebrar os defensores de Athena.
Memórias devem ser como um baú cheio de tranqueiras, onde podemos vasculhar, remexer, apertar, bagunçar com a certeza de que tudo aquilo foi vivido ao seu máximo. Memórias tratadas como relíquias são perigosas, ameaçam se perder e com elas parte de nossa identidade. Visto hoje Cavaleiros tem muitos defeitos: uma animação fraca, muitos clichês, trama previsível e muitos outros detalhes que, se fossemos rigorosos, o deixam muito aquem de outras animações japonesas. Nenhuma delas carrega a carga afetiva dessa obra em particular.
Me lembro da preocupação com os olhos de Shiriyu, após sua luta contra Perseu de Medusa - Dragão perfurou os olhos para derrotar seu inimigo que transformava os adversários que vissem seu escudo de medusa em pedra; ou a emblemática luta entre Hyoga de Cisne e seu mestre Camus de Aquário (uma das bobagens do anime foi a inserção do mestre Cristal, felizmente esquecido) dois cavaleiros honrados, onde o mestre dá sua vida para ensinar a técnica suprema ao seu pupilo.
Qual minha emoção ao ver que o filme dos Cavaleiros seria exibido nos cinemas? Comprei o disco em vinil, as fitas em VHS dos OVA´s (lançados aqui como aventuras inéditas ou filmes em VHS) não fazendo mau que tivessem apenas quarenta e cinco minutos cada. 
Fico feliz que Cavaleiros do Zodíaco complete trinta anos, que as pessoas se lembrem com um sorriso no rosto lembrando  quando Ikki de Fênix voltou dos mortos para salvar seu irmão Shun; quando Shina de Cobra confessou seu amor para Seiya; quando Camus explicou sobre o zero absoluto. Quem nunca cantarolou "Cavaleiros do Zodíaco/são guerreiros de poder astral/se o inimigo é demoníaco/sua luta é mortal" jogue a primeira pedra.
Finalizando uma notícia a Comic Con Experience - criada e organizada pela equipe do Omelete - vai trazer as 12 armaduras de ouro em tamanho real para o Brasil no começo de Dezembro. É a primeira vez que a exposição será feita fora do Japão, só foi possível pela adoração dos fãs brasileiros. Somos o único país em que Cavaleiros do Zodíaco é o anime mais popular da Shonen Jump - editora de Dragon Ball; One Piece; Naruto e outros sucessos
"Me de sua força Pégasos".







segunda-feira, 21 de novembro de 2016

Lorissa McComas

Uma musa do cinema B cuja carreira foi abreviada por uma terrível doença. É assim que muitos lembram dessa scream queen, desconhecida por parte do público e celebrada por outra. O objetivo dese post é prestar um homenagem a essa atriz, como todo profissional da sétima arte sua obra a torna imortal.
Nascida em 26 de Novembro de 1970, na cidade de Columbus, Ohio, muito bonita Lorissa começou a modelar ainda no colegial, de olho em passos maiores a moça aliou os estudos com sessões fotográficas e trabalho como stripper.
Na década de 1990 chegou a ser presa por permitir que um cliente depositasse alguns dólares em sua cinta liga, segundo as leis de Cincinnati ato considerado prostituição, aparentemente a prisão não a prejudicou e em 1994 a moça fundou a Extasy Entertainment, empresa dedicada a contratar garotas para o mercado de danças eróticas, que fique claro, em nenhum momento Loressa envolveu-se com prostituição.
O dinheiro para sua empresa vaio dos trabalhos noturnos e de alguns dos filmes que começara a fazer. seu belo rosto, aliado a um belo corpo - magra, com lindos e fartos seios naturais, coxas e bum bum bem desenhados ajudaram a abrir caminho no cinema B.
Sua estreia deu-se em 1992 com uma ponta em Can it be love uma comédia com fortes doses de erotismo, onde dois detetives procuram por uma garota. Sua participação foi pequena, mas lhe abriu portas.
Após algumas fitas para o mercado eróticos, onde modelos tiram a roupa diante das câmeras, ela esteou no cinema terrorífico com duas produções, uma bem conhecida dos fãs. A primeira delas
Stormswept
Stormswept de 1995 uma obscura produção sobre satanismo, cujos produtores estavam ligadas ao universo pornográfico.

No mesmo ano ela esteve em Piranha - a versão para a TV e não a versão do cinema dirigido por Joe Dante - como você deve estar imaginando, ela é devorada viva após nadar pelada com o namorado.
No mesmo ano ela realizou uma ponta no SCI-FI Droid Gunner, filme sem maior interesse.
Assim como muitas atrizes do horror B e do trash Lorissa encontrou papéis no cinema erótico, aos 25 anos, no auge de sua beleza jovial a moça descolou um papel em Ligações com o Desejo - sobre um homem que após o assassinato de sua esposa busca em antigas amantes a identidade da assassina - o filme chegou a ser exibido no saudoso Cine Band Privet.
Ligações com o desejo
Seu primeiro papel como protagonista foi em Lap Dancing também de 1995 aqui ela interpreta uma aspirante a atriz que realiza danças sensuais em uma boate para sobreviver - um drama erótico temperado com números de streaptease dela e de outras garotas.
Loressa voltou ao gênero com Vamps: Deadly Dreamgirls como uma rainha vampiresa e em Red Lips - do diretor Donald Farmer, que em 2005 faria Shark Exorcist! - nenhuma das duas obras fez muito sucesso, o sonho de ser atriz ficava mais longe, enquato o mercado dos shows noturnos seguia rentável.
Vieram outros trabalhos no mercado erótico Fantasias Perigosas (outro título exibido no Cine Band Privet), Arranged Maried de 1996, vídeos para Penthouse e um retorno ao terror Caged Woman II também de 1996, na obra Lorissa vive a sádica dona de um internato que serve de disfarce para uma rede de tráfico de escravas sexuais.
sem conseguir emplacar sua carreira e ligada ao mercado erótico Loressa aceitou participar de filmes pornográficos, foi no meio da "Pôtaria", que sua carreira não iniciada parecia ir para o brejo que a garota foi descoberta! Seus filmes começaram a fazer um certo sucesso no circuito underground.
Absolutamente linda Lorissa destacava-se em todas as produções que participava, impossível não reparar naquee rosto ou naquele corpo, quem assistia aos filmes ficava intrigado - estamos falando de uma época anterior  internet, não havia Google ou IMDB para procurarmos pelos atores, assim sua fama
Raptors
demorou um pouco.

Revistas especializadas no terror correram atrás de Lorissa e ela estampou as capas de Scream Queens Illustrated e Femme Fatales, seu nome foi associada a produções B do meio terrorífico e de ficção científica, sempre com muita sensualidade.
Profissionalmente falando o final dos anos 1990 foram o melhores de sua vida, a moça não parava de receber propostas, atuando em Killer Sex Queens from Cyberspace de 1998; do drama Encontro de Paixões também de 1998; muitas produções B incluindo o cinema erótico, a qual ela passou a protagonizar como musa: Voyer, Testing the limits e Ultimate Love Games.
Os anos 2000 começaram da mesma forma, Roger
The Bare Wench Project
Corman a escalou para Raptors, trash baseado em Jurassic Park. O produtor fora responsável pela trilogia Carnossauro e tentou repetir o "sucesso". 

Como o título sugere uma comunidade é atacada por estranhos animais  que revelam-se Velociraptores, os piores que os defeitos especiais puderam criar, o diretor Jim Wynorski (de Vampiros das Estrelas e shopping Mall) veterano do trash e acostumado a filmar mulheres bonitas se realisou com Lorissa, tanto que sua cena de sexo está no XVideos (e olha que não estamos falando de um filme erótico!).
Ela realizou a paródia erótica de A Bruxa de Blair The Bare Wench Project de 2001 e suas duas sequencias de 2003 e 2005. Voltando ao terror em Slaughter Studios o ultimo filme produzido pelos estúdios de Roger Corman, aliás o estúdio foi demolido durante as filmagens que duraram 12 dias! 
Seu derradeiro trabalho foi na comédia The Lust Busty  Babe-a que de 2008, uma sátira aos filmes pornográficos.
Se profissionalmente Lorissa conseguiu o estrelato que sempre quis (e que seu talento a permitiu ter) em sua vida pessoal ela vivia um drama, acometida por uma distrofia muscular, que começava a atingir seus nervos - doença irreversível que gera teríveis dores, principalmente ao atingir os nervos. Em 3 de novembro de 2009 Loressa retirou a própria vida com uma arma de fogo em sua casa, dando fim ao sofrimento. 
Se Lorissa morreu, sua obra sobrevive e durará para sempre, essa é a homenagem de Os Deuses Mortos a essa atriz.

quinta-feira, 17 de novembro de 2016

Manami Anzai de Life

Dentre as vilãs apresentadas aqui poucas são tão cruéis quanto Manami, a menina não tem nenhum trauma do passado, não almeja dominar o mundo, não pratica a vilania por dinheiro. Ela simplesmente quer se divertir, julgando as pessoas a sua volta como brinquedos.



Um pouco da História de Life

Life conta a luta de Ayumu contra o bullying, no processo ela cresce como ser humano e se transforma em alguém mais confiante. A garota começa a série sofrendo, sua melhor amiga tenta suicídio e a culpa.
Ayumu sempre foi tímida, insegura e uma aluna ruim, sua amiga a usava para se sentir melhor. Após entrar em uma das melhores escolas da cidade sua "amiga" fica com raiva, sente-se um fracasso (pois não entrou) e tenta cometer suicídio.
Uma vez na nova escola Manami se aproxima de Ayumu, seu objetivo? Ter mais alguém para lhe idolatrar e puxar o saco. Manami é a patricinha do colégio, seu pai é rico e poderoso, um dos maiores doadores de dinheiro para o colégio e amigo íntimo do diretor. A moça é intocável.
Anzai começa a mostrar quem é quando Hiro, uma amiga, sai em uma revista e torna-se mais popular, Manami começa um movimento para ignora-la e
falsas amizades
espalha boatos sobre a garota, dizendo que ela procura parceiros sexuais.

Suas amizades são superficiais, as pessoas a sua volta existem para lhe agradar e elogiar. Mana (seu apelido) tem um namorado, filho de um empresário que depende de seu pai para os negócios, logo o rapaz é obrigado a namorar Manami.
Se quiser saber mais sobre Life clique aqui.

Toda ilusão se quebra

Já deu para entender que Manami vive em um universo de cristal criado por ela, quando seu mundo ameaça rachar ela se revela. Ayumu é falsamente acusada de transar com seu namorado, é o suficiente. 
Mana não parte para cima da amiga, ao contrário fica triste dizendo que a perdoa, com seu discurso ela torna-se vítima, uma pessoa doce e gentil apunhalada pelas costas. Incitando o ódio contra Ayumu.
Do outro lado seu namorado é espancado pelo pai,
seu namoro garante os negócios da família, Mana faz de tudo para manter seu mundinho. assim o rapaz culpa publicamente Ayumu e pede desculpas a Manami, dizendo que a ama. Ela, como uma boa garota, o perdoa.
Assim começa o bullying contra Ayumu, no começo Manami só observa, dizendo não querer participar. A pressão popular é para que ela participe, afinal Manami foi traída e merece se vingar.
Finalmente, com a autorização de seus colegas, Manami começa a agredir diretamente "sua amiga" e revela todo seu sadismo.

As maldades

Entre as maldade cometidas por nossa adorável vilã estão: tentar fazer Ayumu engolir agulhas, jogar pela janela sua carteira, espanca-la no banheiro e "limpa-la" com o esfregão, forjar uma cola para a garota ser expulsa do colégio, tentar levar Ayumu ao suicídio.
Mana chega ao ponto de seduzir e ir para cama com um trombadinha para ele sequestrar Ayumu e sua melhor amiga (a única aluna que a defendeu) estupra-las e depois mata-las. Tudo isso enquanto desfruta de um jantar com seu pai.
Ayumu não foi sua única vítima, lembram-se de Hiro, a menina da revista? Ela descobriu que foi Mana
quem espalhou os boatos e descobre a verdadeira face da "amiga", Mana não perdoa quem quebra sua ilusão e inicia uma perseguição direta.
Manami afunda a cabeça de sua amiga na pia do banheiro, a ameaça diretamente dizendo que ela sofreria o mesmo, a espreita ameaçadoramente, leva a garota a se jogar do telhado da escola e faz uma vizita no hospital a obrigando a assumir a responsabilidade pelo Bullying.
Seu namorado está apaixonado por uma professora, Manami descobre, humilha o rapaz, termina com ele e convence seu pai a falir sua família; quanto a professora passa a chantageá-la: ou ela forja uma trapaça de Ayumu nas provas ou será denunciada a polícia.
Por que tudo isso? Quando perguntada Ayumu é direta: "as pessoas são meus brinquedos" segundo a psicanálise ela é o que pode ser chamada de perversa, não reconhece seus colegas como iguais, as pessoas existem para diverti-la, são inferiores e devem ser usados, não importa como: para sustentar seu status ou para diverti-la.


Uma hora a máscara cai ou A vingança é um prato que se come cru

Conforme os episódios vão passando os colegas começam a questionar a personalidade de Ayumu e Manami. suas amigas mais próximas vão se afastando, sentindo medo dela.
Manami fica sozinha, mas ela não se importa, é popular, quando Hiro assume a culpa pelo bullying seus colegas de classe estranham, não é assim que eles se lembram, quando Ayumu é "pega" colando os ânimos explodem.
A Casa Caiu

Ayumu se preparava para mais uma difícil batalha quando os colegas de classe começam a gritar que a trapaceira á Manami, pedem para ela confessar, assustada Mana sai correndo, os demais colegas correm atrás dela, logo todos os alunos do colégio perseguem Anzai, que tropeça no meio do pátio exigindo que ela se desculpe.
Assim o jogo vira, toda a escola passa a persegui-la, a maltratam no banheiro, jogam fora seu almoço e material escolar, ela faz um rápido exame de consciência e assume o bullying contra Ayumu, mas não muda sua postura.
Segundo Manami ela está enfraquecida e os demais tem o direito de agredi-la, ela continua acreditando que foi traída, não por seu namorado, mas por ter sido "abandonada" por Ayumu, que não a idolatra mais. 
E é assim, sem um final definido que Life acaba, com Ayumu se recusando a praticar o bullying, por saber o que se sente, Manami é agredida, mas não se arrepender e seus colegas se divertindo.    

Saki Fukuda


Manami foi brilhantemente interpretada pela atriz Saki Fukuda, a moça conseguiu passar toda a periculosidade de Mana com um olhar. 
Ela é uma atriz de primeira que possui 19 dramas e 14 filmes na carreira, em 2008 ganhou o prêmio de revelação do ano no pelo Japan Academy Prize - Life é de 2007, o que influenciou na escolha e quem assistiu sabe que é válido, a moça roubou a cena.  

segunda-feira, 14 de novembro de 2016

Romy Andrade

Modelo da Erotika Fair, destaque da Sexy a loira não sente vergonha de sua beleza, nem quando saiu na avenida Paulista nua com corpo pintado: "Para mim foi uma honra divulgar a Erótika Fair, em um dia muito especial, com o corpo pintado".
Ela também é empresária, dona da marca Romy Andrade Fashion "roupas sensuais e exóticas, para a mulher moderna que gosta de sentir sexy, atraente e deixar o marido, namorado, amante com muito mais amor, tesão, etc, etc...".
Ficou curioso? A beldade alia beleza com inteligencia e desenvoltura, além de se sentir sensual e gostar de exercitar esse lado. Divirta-se com as fotos. 









quinta-feira, 10 de novembro de 2016

AV Idol: Conheça o Pornô Japonês

O universo pornográfico japonês é alvo de muita curiosidade e especulação, atualmente o post mais acessado no Blog é o TOP 10 sobre atrizes pornográficas do Japão. tentando sanar a curiosidade do público (e a minha) comecei uma pesquisa sobre o assunto e me deparei com um universo muito mais amplo do que podia imaginar.


Um país de Idols

As atrizes pornográficas lá no Japão recebem o título de AV Idol (Adult Video Idol ou ídolo de vídeo adulto) para entender melhor o que significa precisamos  voltar e definir o que é uma idol.
Idols são meninas, em sua maioria adolescentes, todas muito bonitas que são selecionadas por agências de talento, as quais as lançam na carreira musical. Parece algo comum e igual ao que temos no Brasil, as semelhanças param por ai.
Mais do que a beleza ou o talento musical uma idol representa um ideal de pureza, inocência, uma fofura se preferirem, capazes de fazer com que o público apaixone-se por elas. Cada uma dessas garotas arrastam multidões de fãs enlouquecidos.
A idol deve manter uma imagem virginal, longe de namoros ou ficadas, assim o fã pode sonhar em tê-la, porém não é um "tê-la" carnal, mais próximo do amor platônico. Afinal a moça é pura e deve manter-se assim. Nós reles mortais não temos o direito de toca-las.
Evidente que nem toda artista japonesa é uma Idol, apenas algumas que transformam-se na "mulher ideal" - convenhamos quem não gosta de uma japonesinha fofa e levemente submissa?


AV Idols

Muito bem se o mercado das Idols funciona tão bem, por que não explorar outros ramos? A primeira variação é o Gravure Idol - simplificando modelos. Não Japão não são comuns revistas como a Playboy ou a Sexy, nem mesmo a tão sem graça VIP. Existem livros, cada um com uma garota de diferentes tipos indo do comportado ao sexo explícito. As Gravure
Tsukasa Aoi
Idols
ficam no meio termo.

O bio tipo de uma Idol é a japonesinha magrinha, pequenininha, com rosto de anjo. As Gravure Idols são mais vitaminadas, possuem coxas mais bem definida, posam de biquínis apertados (um ou dois números menores). A variação é grande, indo desde ao típico biofísico japonês até garotas de seios grandes, que fazem muito sucesso.
Você, meu amigo leitor, que está esperando pelas garotas sapequinhas, deve estar cansado dessa introdução. Muito bem, vamos ao que interessa as AV Idols.       
Como o nome diz as atrizes pornográficas são uma espécie de idols, porém um pouco diferente. Pensem um pouco: "Se uma Idol deve ser pura e virginal, como fazer sexo com uma delas?". A resposta é simples, não se faz. Para isso existem as AVs.
As AV Idols são jovens garotas, na sua maioria recém entrada na maioridade, com rostos angelicais, aparência pura e uma alta dose de fofura. Enquanto as Idols habitam o ideal platônico, as AVs servem aos desígnios do capeta.
Diferente de países do ocidente onde garotas começam como modelos, fazem fotos em revistas, realizam shows de strip-tease e então são recrutadas para o mercado pornográfico as japonesas vão direto para a festa.
Um verdadeiro batalhão de caça-talentos vãos as metrópoles atrás de jovens garotas propondo a elas um contrato, que inicialmente dura um ano, que pode ou não se prolongar. Acredita-se que hoje em dia no Japão surjam onze novas AV Idols por dia.

O que é Uma AV Idol?


Imanaga Sana
Defini-las como simples atrizes pornográficas seria difícil, a pornografia é um de seus atributos, elas também participam de programas televisivos, fazem pitacos nos dramas (as novelas japonesas), muitas encerram a carreira ainda jovens e tornam-se cantoras ou atrizes.
As cenas de um pornô japonês mostram uma garota tímida, mas excitada que deseja fazer sexo, mas sente vergonha. Mesmo assim se insinua. Diferente do Brasil onde as "preliminares" são quase inexistentes, partindo para o sexo oral, o vaginal (a maior parte da cena) e o anal o japonês dá mais espaço aos beijos e carícias. 
A atriz é beijada, cuidadosamente despida. Seu corpo é explorado pela câmera, cada detalhe mostrado, têm se o o sexo oral e depois a relação sexual, a parte mais cura, porém bastante intensa. Em alguns vídeos não existe sexo, apenas masturbação.
Algo comum a todas são seus gemidos, ao contrário de urrarem de prazer (como as brasileiras) ou ficarem gritando "Oh Yeh" (como as americanas) as japonesas gemem de maneira meiga, com voz suave e as vezes envergonhadas, mesmo quando demonstram estar gostando muito.
São raras as cenas com outras AV Idols, em contra partida costumam participar de orgias. O sexo anal existe mas não é sempre que o realizam, é pouco comum que o autor ejacule em seus rostos, em geral nos seios ou quadris. Outra diferença é que elas não depilam a virilha, ou seja são naturais, o que não chega a atrapalhar, pois japonesas possuem poucos pelos.


Os Tipos de Filmes Pornos no Japão

O Japão é um país fetichista, que explora sua sexualidade, diferente de nós que tentamos esconde-la (eis a herança maldita do cristianismo). Lá no japão o discurso politicamente correto não contaminou e apodreceu a mente das pessoas, assim uma AV Idol pode fazer qualquer tipo de filme sem ser massacrada.
Temos simulações de estupros, algo muito comum a atriz ser estuprada por um, dois, até vinte caras ao mesmo tempo; ser amarrada; ter seus seios manuseados.  Sempre com aquela cara envergonhada de quem está gostando, não quer admitir, mas gosta assim mesmo.


Um tipo mais "estranho" (para nós) são vídeos de bulinação. Basicamente a moça sobe em um ônibus ou no metrô de saia curta. Em geral ela usa roupa dois números menores. Durante a cena fica desconfortável com os olhares masculinos. Um dos caras passa a mão de leve, a moça geme em silêncio, ai todos começam. Os atores passam a mão, apertam, tiram os seios dela para fora, levantam sua saia, sem ato sexual. Em determinado momento a moça chega a seu destino e desce.


O Cospley Hentai é um pornô comum onde a garota veste-se de algum personagem de anime ou game. Muitos cosplayers ficam furiosos com esses filmes, azar o deles, diferente das paródias XXX de Hollywood. Aqui o foco é a personagem e não a atriz, nunca veremos uma AV Idol ficar nua em um cosplay Hentai. No máximo exibe os seios, mostra o corpo por uma roupa transparente e faz sexo por um rasgo na roupa.









Ukino Azumi
Um subgênero que vem surgindo é o Busty - AV Idols com seios grandes, nada de silicone! Com a influência americana na cultura Pop garotas de seios grandes viraram um fetiche, assim essas japonesas possem mercado, nos filmes onde o ator passa boa parte do tempo acariciando os enormes seios da garota, isso quando não existem cenas dedicadas apenas aos seus seios, onde, no máximo rola uma espanhola.


Super-Heroínas - Sabe aqueles seriados ao estilo Jaspion que eram exibidos por aqui? Ainda hoje fazem muito sucesso com as crianças japonesas, a industria pornográfica tem sua versão, muito parecida inclusive, aqui heroína ou grupo de heroínas combatem um monstro de borracha, diferente dos seriados, onde o bem sempre vence, na versão AV as moças são estupradas por monstros elevando a definição de bizarro.


Sexo em púbico, não é difícil encontrar filmes ocidentais com sexo em público, em geral os atores vão para um lugar deserto e ficam espiando se ninguém vem. Bom no Japão a coisa é mais as claras. Imagine-se indo as compras, você entra em um supermecado e encara um casal mandando ver entre os legumes. Descrição é para os fracos o sexo em público japonês faz jus ao nome. 


O Futuro de uma AV Idol

Como qualquer artista seu futuro depende de uma grande variável de fatores, incluindo: sorte; aceitação do público e dedicação. Uma AV Idol não dedica-se exclusivamente ao pornô. Muitas atuam em programas sexuais da televisão japonesa.
Já ouviu falar daquele programa onde o sujeito deve cantar no karaokê enquanto uma bela japonesinha o masturba? Quem você acha que põe a mão na massa? Outro programa tem como prêmio escolher as cegas com quem vai transar, os prêmios são AV Idols.
O cinema underground japonês costuma recrutar Gravure Idols e AV Idos para os papeis mais importantes, filmes como Machine Girl; Pussy Killer; Tokyo Gore Police; Vampire Gril Vs Frankenstein Girl e tantos outros contratam essas garotas.
Isso quando as AV Idols não tornam-se cantoras ou atrizes, dividindo espaço com atrizes consagradas e até mesmo idols ou ex-idols. Se elas sofrem preconceito? Não, elas são consideradas artistas.
A AV Idol que mais fez sucesso após o término de
Sora Aoi em Big Tits Zombie
sua carreira é Sora Aoi, enquanto esteve na ativa foi uma das mais famosas, atualmente é uma atriz respeitada e contratada por produções em toda a Ásia, seu primeiro filme foi Big Tits Zombie, ela conseguiu ultrapassar as barreiras do cinema atuando em qualquer tipo de produção.

Outras preferem ficar na carreira e por que não? Gostam do que fazem, estão ganhando diheiro, são admiradas e possuem legiões de fãs. Agora que você sabe um pouquinho mais sobre esse universo abra sua mente para as possibilidades e se divirta.

Alguns sites para saber mais


JAV Library site com os nomes e fichas das atrizes e seus filmes

Imperia of Hentai que possui um grande acervo, alguns filmes estão disponíveis apenas para os membros premiun, mas tem muito filme de graça para você baixar.

Canal no youtube sobre AV Idols

AV Idols que foram gatas do mês

Satome Yuria

Rio Hamasaki

Rika Aiuchi

Haruka Itoh

Hitomi Tanaka






segunda-feira, 7 de novembro de 2016

O Itaquerão na mira da Lava Jato

Nada como estar certo, em 2011 publiquei aqui no blog um post chamado "Um bom negócio: entenda o fielzão ou um bom exemplo da corrupção no brasil", que você pode ler clicando aqui.
No post especulei como Andrés Sanches, Ricardo Teixeira e Lula aproveitaram a Copa do Mundo para construir o estádio do Corinthians (gastando o nosso dinheiro) na época houve um pequeno falatório quando Lula serviu de intermediário entre o Corinthians e a Odebrecht. Como na época o presidente podia tudo o falatório não deu em nada.
Um pouco antes publiquei o dossiê Andrés Sanches, então presidente do Corinthians e atualmente deputado federal pelo PT, na época levantei que Andrés era pobre antes de filiar-se ao timão e ao PT. Hoje é um rico empresário, leia o post aqui.
Estamos em 2016, Emílio Odebrecht, presidente da Odebrecht, firmou acordo de delação premiada, no qual diz que o Itaquerão foi um presente ao ex-presidente Lula. Matéria publicada no jornal "A Folha de São Paulo"  de 23 de Outubro.
Segundo Emílio a construção do estádio foi ideia de Lula, então pensativo sobre o futuro de seu clube, para ele o Corinthians não conseguia resultados melhores por não ter um estádio. Ou seja de um capricho de Lula milhares de brasileiros foram roubados.
A construção envolveu: Lula, Odebrecht, Andrés Sanches (filiado ao PT e então presidente do Corinthians) e o então prefeito de São Paulo Gilberto Kassab, que aprovou o empréstimo - Para construir o estádio houve um financiamento público (feito pelo BNDES) de R$ 400 milhões e por bancos privados R$ 420 milhões - essa segunda dívida assumida pela cidade.
Entenderam? Ao invés de usar esse dinheiro para educação, saúde ou quitar dívidas anteriores Lula usou esse dinheiro para cobrar um favor - segundo Marcelo o Itaquerão foi um agrado a Lula e uma retribuição as ajudas de Lula a sua construtora - em outras palavras: um agradecimento pelo enriquecimento via petrolão.
Na época Andrés disse a revista Época que ele e Lula eram responsáveis pelo lado financeiro de estádio: "Quem fez o estádio fomos eu e Lula. Garanto que vai custar mais de R$1 bilhão. Ponto. A parte financeira ninguém mexeu. Só eu, o Lula e o Emílio Odebrecht" (ouça o áudioaqui).
Os resultados negativos ainda não foram vistos completamente, o estádio foi superfaturado, de onde saiu tanto dinheiro? Quem pagou a conta?
Por outro lado se a ideia de Lula era ajudar o Corinthians essa pode sair caro, o time não vem conseguindo juntar dinheiro para pagar sua Arena, cada mensalidade custa R$ 5.7 milhões, para tal o clube usa a arrecadação de seus jogos, para isso o Itaquerão deveria ter arrecadado R$ 112 milhões ano passado, porém só arrecadou R$ 90 milhões, sem dinheiro o clube não pode contratar bons jogadores e nem seguras seus craques e de quebra pode perder o estádio, se esse não for pago volta para a Odebrecht que também está com problemas financeiros e sem motivos para continuar agradando a Lula. 

sexta-feira, 4 de novembro de 2016

A Onda Azul

"O PSDB será o partido que governará o maior número de brasileiros"  com essa mensagem Aécio Neves abriu o domingo de eleições, com essa mensagem o Brasil começa a dar sua resposta aos esqerdistas que vinham pintando o país de vermelho e gritando "golpe".
Depois do primeiro turno, onde tucanos venceram em 793 cidades, dentre as quais destaca-se a inédita vitória em primeiro turno na cidade de São Paulo, onde João Dória derrotou o prefeito Haddad do PT.
Ao final do segundo turno foram sete capitais e mais dez cidades com mais de duzentos mil habitantes. A onda azul lavou o vermelho do Brasil, incluindo redutos petistas ou comunistas, aliás palavra que voltou a voga, revelando toda a má intencionalidade desses políticos e seus fieis seguidores.
Um dos principais redutos a mudar de cor foi o cinturão vermelho (aqui no estado de São Paulo) importantes cidades como ABC, Osasco e Guarulhos, governadas pelo PT que se contrapunham ao Estado. Com isso tucanos impuseram derrotas hostóricas ao PT em destaque São Bernardo do Campo, berço do partido da estrela.
No segundo turno tucanos ganharam emPorto Alegre com Nelson MarchezanJr. O que é um resultado inédito para o partido, que sempre amargou a soberania petista; outro estado onde teve crescimento foi em Minas Gerais, mesmo perdendo a capital Minas sempre sofreu com um forte eleitorado petista - o governador é do PT e Dilma venceu Aécio no primeiro turno. São números significativos.
A partir de 2017 a cada quatro eleitores, um estará sob governo do PSDB, impossível não ressaltar a escolha dos eleitores e projetar 2018. Sim, ainda falta muito tempo e eleições municipais são diferentes, principalmente pelo cargo de prefeito ser bem próximo ao eleitor. Mas identifica-se duas tendencias.: aversão a partidos de esquerda e uma aproximação de ideias liberais.
Essa é outra caracteristica da onda azul, fundado por Fernando Henrique Cardoso o PSDB era originalmente um partido que inclinava a esquerda - a social democracia é um movimento surgido na europa, vinda dos sindicatos. O discurso adotados pelos novos prefeitos (que renovam a legenda) são próximos a uma direita, ao liberalismo: falou-se de privatizações, diminuição do poder do estado e direitos individuais a serem conquistados.
João Dória venceu com um discurso de gestor, privilegiando a eficiência e redução de gastos supérfulos, dai as privatizações, diferente da fala das esquerdas que enaltecem o poder estatal, que gera muitos gastos ao estado e devolve pouco a população resultando nessa crise financeira que vivemos 2018 vai depender de como esse modelo for ser avaliado e/ou implantado.

terça-feira, 1 de novembro de 2016

Satomi Yuria

Faz muito tempo que postei um cosplay aqui, foi por um motivo justo,fazia algum tempo que nenhum chamava a aenção.  Recentemente caiu nas minhas mãos uma imagem dessa linda japonesinha fazendo cosplay de uma variação da C.C de Code Geass. Não sosseguei até descobrir o seu nome. 
Trata-se de Saotomi Yuria, uma AV Idol (Adult Video Idol) ou atriz pornô, em bom português. Natural de Tóquio, a moça está com 31 anos, parece uma ninfetinha (uma das vantagem da raça japonesa).
Só para terem uma ideia, inicialmente ela seria destaque de um post sobre Cosplay Hentai, fiquei tão impressionado com sua beleza que a moça foi promovida a gata do mês.
Em sua carreira ela fez de tudo cosplays, vestiu roupa de enfermeira e também fez o básico.  É digno de nota, que em um universo pornográfico cada vez mais tomado pelo modelo americano (seios gigantes) Saotomi conseguiu destaque através do charme japonês. 
Justiça seja feita ela é linda e expressiva, merecendo o sucesso que faz. Em 2012 estreou na televisão, fazendo uma participação especial no drama "Tokumei Tantei".
















 Perfil
Altura: 158 cm
Busto: 86 cm
Cintura: 58 cm
Quadril:  83 cm
Asian Wicki
Ensaio Completo parte 1
Ensaio completo parte 2
Página no Xvideos





Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...